terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Outros carnavais

Há um ano por estas alturas, por outros carnavais andávamos nós de boquilha e lábio rosso armadas ao pingarelho, cheias de estilo e hormonas aos saltos. Numa de curtir a liberdade, de beber uns copos, ler poesia erótica, cagar nos planos de futuro e mandar umas valentes. Dito e feito. Abençoadas intenções essas, que me trouxeram tempos de leveza como há muito ansiava e nunca, em tempo algum, experienciados. Daqueles que, não por excesso de loucura, mas por sensação de vontade cumprida, trazem aquele sabor que não se descreve e que pouco tem que ver com saudosismo. Nada de “ó tempo volta para trás”, mas apenas um “ainda bem que o fizemos”, porque era aquele o tempo, o espaço e… a companhia. As trocas e baldrocas que vamos dando mudam as direcções do vento até com um suspiro a mais, inesperado, mas o que é certo é que acontece sempre o que tem que acontecer e o que vivemos ontem faz absoluto sentido para o que vivemos hoje. E vice-versa. Fica a certeza de que há saltos que temos que dar, nem que sirvam só para vir respirar um bocado antes de voltar à luta ou antes de nos conhecermos mais aquele bocadinho ou antes de sermos cada vez menos um umbigo. Continuemos a exultar caralhadas, obscenidades e infantilidades que sempre nos fizeram parte da carne e possamos rir-nos da sombra da responsabilidade social, do “tem que ser”, da idade, dos estatutos… É que transforma o aroma da aparente transgressão, num misto de chocolate com pimenta viciante, que nos devolve infâncias que nunca perdemos, só… dissimulamos por precaução.

1 comentário:

vinho disse...

É isso mesmo! Abençoado carnaval! O tempo não volta para trás. Ainda bem. Crescemos com cada passo e de cada vez que tropeçamos, mesmo que tenhamos que obrigar-nos a levantar. Obrigada pela companhia, foi a companhia certa. Também ela me trouxe tantos sorrisos... Bonne soiré!