quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Pois é...


Por mais discussão que haja sobre as mulheres e o sexo, o básico é exactamente isto. Tudo muito certo quanto ao facto de as mulheres conhecerem o seu corpo e saberem aquilo que querem. Mas verdade, verdadinha é que muitas andam por aí bem mal comidinhas - e pior - sem o saberem. Se toda a vida comemos banana, nunca vamos saber se gostamos de pepino (isto para usar uns alimentos fálicos, que sempre tem mais piada) e quando pensamos que até andamos satisfeitas, se calhar, não é bem assim. Daí, a minha humilde teoria de que mulher nenhuma se deveria prender a um homem sem conhecer outros. Na cama, claro. Não pela quantidade, porque isso não interessa nada, mas pela variedade, pelo conhecimento do sexo, do homem e da mulher. Conhecer o melhor, o pior e o diferente.

Outra verdade, verdadinha é que anda para aí muito macho que se está nas tintas para o prazer da mulher. Faz o que tem a fazer para provocar algumas humidades na ala feminina e sigam 2 ou 3 contorções para o assunto estar despachado. Sim, porque o que lhes interessa é um orgasmo e ponto final. Quando uma mulher até sente algum prazer nessa estimulação, tem um leve vislumbre do que é a satisfação sexual, chegando a uma cega conclusão de que o sexo e o prazer... é aquilo.

Mostrava-se, minha querida avó, muito indignada com essa prática do sexo oral nas mulheres, vulgo cunnilingus. "O quê? Ai que horror e não há-de cheirar mal! Mesmo a sério que fazem isso?" Eu não resisti a dizer "Avó, não sabes o que perdes...". OK, são gerações diferentes, mas a base destas ideias ainda está muito enraizada nas mentes de hoje. Prova disso mesmo, é o crescente número de raparigas que iniciam a sua vida sexual pelo sexo oral nos rapazes, que lhes pedem. Nem vale a pena mencionar que o contrário não se pratica. Não se põe sequer em causa que a própria mulher não tenha prazer em fazê-lo - existirão excepções, claro - mas, mais uma vez, é o prazer do homem que vem sempre em primeiro lugar.

Sim, lá estou eu a falar de sexo, mas parece-me que ainda existem muitas ideias preconcebidas que devem ser rejeitadas, repensadas e alteradas. Gostava de o conseguir passar à minha filha da maneira correcta, para que ela tenha respeito pelo seu próprio corpo, aliado a uma mente aberta que a permita não ter vergonha de reclamar o seu próprio prazer, enquanto mulher.

6 comentários:

leo disse...

concordo.
e acho bem q fales!

Anónimo disse...

A avó I. é a máior! E deixa que a tua filha não terá falta de informação ;)

vinho

lira disse...

Da maneira correcta, minha cara! Da maneira correcta... :)

Francisco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

ahahah! ensina-a a andar e a falar primeiro pá!...

lira disse...

Isso primeiro claro... Para, em caso de emergêcia, saber mandar um gajo à merda, agarrar nas perninhas e ir à vida dela :P